Consumo de iogurte: teor de cálcio é importante na hora da escolha

Consumo de iogurte: teor de cálcio é importante na hora da escolha

Derivado do leite tem altas concentrações de cálcio e o consumo diário do produto traz benefícios à saúde

O cálcio é o mineral mais abundante do corpo humano. É essencial para a contração muscular e transmissão de impulsos nervosos, mas a função mais conhecida  é a sua participação na formação e a manutenção da estrutura óssea. Por possuir tais funções, o cálcio deve ser consumido diariamente em quantidades adequadas em todas as fases da vida, especialmente na infância e adolescência – períodos de intenso crescimento e desenvolvimento ósseo. Estima-se que cerca de 40% da massa óssea total de um indivíduo adulto seja adquirida durante a adolescência, mais especificamente entre 12 e 15 anos. É nesta fase que se alcança o maior nível de massa óssea. Ou seja, é esse período que determinará a saúde óssea no futuro, a fim de proteger contra fraturas e reduzir as chances de osteopenia e/ou osteoporose na vida adulta.

As recomendações para a melhor absorção de cálcio na infância e na adolescência apoiam-se no fato que um balanço positivo de cálcio pode ser alcançado quando o consumo de alimentos fonte desse mineral seja de aproximadamente 1300mg por dia dos 9 aos 18 anos.

Dentre os derivados de leite, destaca-se o iogurte. A PROTESTE avaliou a concentração do mineral em lotes de 7 marcas de iogurte sem sabor (Batavo, Danone, Frimesa, Itambé, Nestle, Taeq e Vigor) e verificou que em média, eles possuem cerca de 139mg por 100g do produto. Se levar em consideração uma porção de iogurte de 170g (equivalente a um pote), o consumo de 2 potes de iogurte por dia  (no café da manhã e no lanche da tarde, por exemplo) pode fornecer em média 473mg de cálcio e contribuir portanto, com 36,4% da recomendação de ingestão diária de cálcio em crianças e adolescentes.

Segundo a última Pesquisa de Orçamento familiar (POF), o consumo de iogurte por adolescentes reduziu em 1,2% nos últimos 10 anos (POF, 2017-2018). Todavia, o estímulo do consumo de iogurte diariamente por crianças e adolescentes pode ser uma estratégia para o alcance da recomendação de ingestão diária de cálcio e portanto, pode contribuir para a prevenção de osteoporose na vida adulta. Isso porquê o alcance das recomendações diárias de cálcio é difícil de ser atendido sem o consumo de leite e derivados, uma vez que estes alimentos são as principais fontes da alimentação humana. Para alcançar as recomendações de cálcio através de alimentos não lácteos, seria necessário o consumo diário de um grande volume de vegetais, o que não é usualmente observado na dieta do adolescente brasileiro (1,8g/dia – POF 2017/2018).

Pelo fato de a informação nutricional ser um fator importante para a saúde dos consumidores, classificamos os lotes de iogurtes avaliados e verificamos que o iogurte da marca Frimesa apresentou mais cálcio (188mg/100g) comparado às outras marcas testadas. Vale ressaltar que o conteúdo do presente estudo é meramente informativo, exercendo a PROTESTE apenas o direito à informação dos consumidores. Os resultados obtidos se referem a determinados lotes de iogurtes disponíveis no mercado.

Comparamos também os resultados obtidos no laboratório com os valores fornecidos da tabela nutricional das embalagens e calculamos a variação. De acordo com o item 3.5.1 da Resolução Nº 360/2003 é admitida uma variação de ±20% com relação aos nutrientes declarados no rótulo.

A boa notícia é que a maioria dos iogurtes analisados apresentou teor de cálcio dentro dessa variação esperada e somente no lote da marca Frimesa a concentração de cálcio foi superior à variação permitida por lei (25%) em relação ao informado na tabela nutricional. Ainda que seja animador ter encontrado um teor de cálcio superior à variação permitida por conta dos benefícios que o mineral possui, é importante que o consumidor seja informado da real quantidade de cálcio que está sendo consumido.

A atual legislação cita que para os produtos que contenham micronutrientes em quantidade superior a tolerância estabelecida, a empresa responsável deve manter a disposição os estudos que justifiquem tal variação. Entretanto, a nova legislação de rotulagem, que entra em vigor a partir de 2022, não permitirá mais os desvios superiores a 20% (RDC Nº 429/2020; IN Nº 75/2020).

Além do cálcio, a PROTESTE avaliou a presença de bactérias lacticas, bactérias causadoras de doenças, fungos, entre outros parâmetros.

Dica: Alimentos com sódio: rótulos podem enganar

Sobre o teste

A análise do teor de cálcio nos iogurtes sem sabor foi realizada por laboratório devidamente credenciado junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os resultados obtidos nesse teste são espressos considerando 100g do produto. Além disso, foi considerada a legislação de rotulagem em vigor  e as novas legislações para fins de tolerância nos desvios de rotulagem em alimentos.

RDC Nº 360, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 (em vigor): que determina o Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados em vigor.

RDC Nº 429, DE 8 DE OUTUBRO DE 2020 (nova): que dispõe sobre a rotulagem nutricional dos alimentos embalados.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 75, DE 8 DE OUTUBRO DE 2020 (nova): que estabelece os requisitos técnicos para a declaração da rotulagem nutricional dos alimentos embalado.

Para ter acesso aos resultados completos deste e outros testes, seja um associado PROTESTE.

Aprenda receitas práticas que garantem uma alimentação saudável!

GARANTA AGORA SEU E-BOOK arrow_right_alt