Adoção de cães pode favorecer a saúde familiar

Adoção de cães pode favorecer a saúde familiar

Antes de adotar, é necessário pensar sobre o estilo de vida e não poupar esforços para cuidar dos cães, assumindo-o como um compromisso de longo prazo

Adotar um animal abandonado pode mudar muitas vidas. Além de oferecer um novo lar para o bichinho, a atitude pode favorecer o bem-estar e a saúde familiar. No entanto, aqueles que pretendem adotar um cão devem estar cientes de que esse é um compromisso que dura por vários anos e que requer diversos cuidados.

Em geral, esses animais têm uma esperança média de vida de 12 anos, e, por isso, é necessário ter a consciência de nunca abandoná-lo, apesar dos problemas que podem surgir. Portanto, o conselho é pensar bastante no seu estilo de vida antes de adotar e não poupar esforços para cuidar dos cães.

Benefícios

Segundo reportagem publicada na revista da PROTESTE, os cães costumam trazer muitos benefícios para toda a família, especialmente em situações estressantes. Porém, costumam precisar de um período de adaptação à casa nova, que pode durar entre um e seis meses.

No início, costumam ser tímidos e introvertidos, devido ao passado de abandono ou maus tratos. Além disso, os cães não nascem ensinados e têm as suas personalidades.

Podem latir, chorar, fazer as necessidades fora do espaço planejado, subir para a cama dos donos ou estragar coisas, principalmente quando são machos.

Vacinação

Antes de decidir adotar um animal, é necessário lembrar que ele vai gerar custos com alimentação e requer cuidados regulares com a saúde, como vacinas e higienização.

Um exemplo é a vacina da raiva anual, que é obrigatória para cães entre 3 e 6 meses de idade. A raiva é uma doença perigosa, com riscos para a saúde de animais e humanos. No Brasil, é gratuita durante a campanha de vacinação. Portanto, a dica é se manter atento às datas, locais e horários em que a vacina estará disponível.

Outras vacinas que podem ser necessárias e que são pagas, são as da gripe (R$ 70), giardia (R$ 70) e múltipla canina (R$ 70). Esta última inclui a proteção contra cinomose, parvovirose, coronavirose, hepatite infecciosa e leptospirose.

Cães adultos, que nunca foram vacinados ou filhotes que já passaram da época de vacinação, devem receber duas doses de vacina múltipla (com intervalo de 21 dias). Todas as vacinas podem ser dadas a partir de 12 semanas de vida.

Fique atento

Para evitar pulgas, o ideal é desparasitar de seis em seis meses, salvo outra recomendação do veterinário.

No momento de adotar, também é importante evitar separar a mãe dos recém-nascidos. Considere apenas cachorros desmamados, com idade mínima de seis semanas.

Outra questão relevante são as fezes do seu bichinho. Afinal, elas não desaparecem naturalmente e são um risco sanitário. Recolha-as em sacos de plástico apropriados e coloque-os no lixo.

Por fim, se você adotou um cão agressivo, tenha calma. Coloque em casa uma placa avisando de que ali se encontra um animal perigoso. Crie condições para que ele não fuja nem ponha em risco pessoas e outros animais. E, principalmente, promova um treino do cão por técnicos certificados, a fim de ser domesticado e socializado.

Ainda não conhece a PROTESTE? Clique aqui e entenda como ajudamos o consumidor a defender seus direitos.