Adote esses hábitos e reduza as chances de ter miopia

Adote esses hábitos e reduza as chances de ter miopia

Perspectiva é que em 2020, cerca de 35% da população mundial esteja sofrendo com a miopia; pouco tempo em ambientes abertos pode ser uma das causas

A miopia está chamando a atenção da Organização Mundial da Saúde (OMS). Isso porque o aumento dos casos já alcançou o patamar de epidemia em alguns países. De acordo com a entidade, a perspectiva é que em 2020, cerca de 35% da população mundial esteja sofrendo com o problema. Para 2050, a projeção chega a 52%.

O que é a miopia?

Em matéria sobre o tema, o portal G1 explicou que a doença é causada por uma alteração refracional, que prejudica a visão de longe. Até pouco tempo, a causa do problema era exclusivamente hereditária. Ou seja, não havia muito o que fazer para combatê-lo.

No entanto, atualmente, a comunidade científica já pode afirmar que o estilo de vida também pode contribuir muito para o desenvolvimento da doença. A miopia, conforme explica o oftalmologista Guilherme Diehl, do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre, está relacionada a um aumento no tamanho do órgão.

Além causar uma visão borrada para objetos distantes, a miopia aumenta o risco de problemas como descolamento de retina e degeneração macular, o que pode levar à cegueira.

As causas do aumento de casos de miopia geram muitas dúvidas entre os cientistas, mas já se sabe que há uma relação direta com o fato de as crianças passarem menos tempo em ambientes abertos. Além disso, o excesso do uso de aparelhos eletrônicos, como smartphone, tablet ou televisão, podem contribuir para o problema.

Cuidados na infância

A boa notícia, no entanto, é que a maioria das causas da miopia são evitáveis. Com exceção dos casos de origem genética, a doença pode ser prevenida. Um dos pontos relevantes para conter o avanço do problema é permanecer mais tempo em ambientes abertos.

Confira algumas medidas que podem reduzir as chances de miopia nas crianças:

  • Estimule brincadeiras e atividades ao ar livre, por no mínimo uma hora por dia.
  • Limite o uso de aparelhos como smartphones, tablets e televisões. A Academia Americana de Pediatria estipula que bebês não devem ter contato com eletrônicos. A entidade recomenda ainda que crianças de dois a cinco anos fiquem no máximo uma hora por dia em frente às telas.
  • Evite que as crianças utilizem aparelhos eletrônicos antes de dormir. O ideal é que eles sejam desligados pelo menos uma hora antes de deitar.
  • Não instale equipamentos como televisão e computador no quarto das crianças e não permita que ela durma com tablet ou smartphone por perto.

Ainda não conhece a PROTESTE? Clique aqui e entenda como ajudamos o consumidor a defender seus direitos.