Medidores de pressão: qual escolher?

Medidores de pressão: qual escolher?

O mercado oferece vários modelos e tecnologias, por isso você precisa avaliar antes de escolher

A hipertensão arterial mata 388 pessoas por dia no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde (MS). Para evitar a doença, é fundamental levar uma rotina que inclua atividade física e dieta equilibrada. Além desses hábitos, utilizar medidores de pressão também pode ser uma boa estratégia para verificar como está a sua saúde.

O aparelho, cujo nome técnico é esfigmomanômetro, serve para aferir a pressão sanguínea. A indicação do MS é que pessoas acima dos 20 anos realizem a medição ao menos uma vez por ano. Só é indicado repetir a verificação se houver casos de pressão alta crônica na família.

Como essa é a realidade de milhões de brasileiros, muita gente tem o equipamento em casa. Por isso, a PROTESTE testou 11 modelos digitais de esfigmomanômetros.

“Os resultados foram bem satisfatórios e ainda constatamos que os medidores de pressão de braço são equivalentes aos de pulso, o que desmistifica a superioridade dos primeiros. Dessa forma, o consumidor pode optar pelo modelo que achar mais prático e que o deixe mais confortável”, afirma a especialista PROTESTE, Soraya Margem.

Quer saber mais sobre os medidores? Então continue a leitura. Você vai aprender quando se preocupar com os níveis da pressão sanguínea, quais são os tipos de medidores de pressão arterial disponíveis no mercado e como acertar na escolha do produto.

Dica: Setembro vermelho: atenção aos sinais do coração

Tipos de medidores de pressão arterial

A aferição da pressão arterial é feita medindo-se a pressão máxima (sistólica), exercida quando o coração bate, e a pressão mínima (diastólica), que ocorre quando o coração relaxa. O esfigmomanômetro é o aparelho indicado para esse procedimento, mas existem diferentes modelos. Veja.

Aneroide

Esse é o equipamento mais comum em clínicas e hospitais. Ele é composto por uma braçadeira, uma pêra para inflar a braçadeira, uma válvula para controlar a desinflação e um manômetro (medidor de ponteiro). Esse medidor deve ser usado junto com o estetoscópio, para auscultação do coração.

A vantagem do medidor de pressão aneroide é a precisão do resultado. Porém, o aparelho demanda calibragens frequentes e requer conhecimento para manipulação, sendo pouco prático para o uso doméstico.

Digital

A alternativa mais usada em domicílio é o esfigmomanômetro digital. Medidores de pressão desse tipo podem ser semiautomáticos (com pêra ou bombinha insufladora) ou automáticos (sem esse recurso). Eles são compostos por braçadeira e um monitor digital que mostra os resultados.

Existem aparelhos de pressão digital de braço e de pulso. Todos são bem fáceis de usar, tanto que o próprio paciente, sozinho, pode realizar a aferição. A desvantagem está na dificuldade de manter a calibração.

Quando um esfigmomanômetro doméstico apresenta defeito, sai mais barato comprar um novo, por causa da manutenção difícil. Por esse motivo, não vale a pena adquirir o primeiro produto que você encontrar. É preciso comparar os modelos para definir a melhor relação custo-benefício. Essas características ressaltam a importância do teste de medidores de pressão da PROTESTE.

Recursos tecnológicos

Hoje em dia, também há aparelhos diferenciados e com mais funções. Destaque para os que detectam batimentos cardíacos, geram gráficos de nível de hipertensão e dividem o armazenamento das leituras entre dois usuários. Outras tecnologias incluem:

Tecnologia MAM (Microlife Average Mode), que faz três aferições da pressão arterial e expressa a média como resultado;

Tecnologia PAD (Pulse Arrhythmia Detection), que detecta irregularidades dos batimentos cardíacos (arritmias);

Tecnologia de posicionamento correto, com sensor que garante o uso correto do aparelho.

Tecnologia com sensor inteligente de inflação de braçadeira, que infla o manguito de acordo com o tipo de braço do paciente, proporcionando mais conforto e precisão nos resultados;

Tecnologia de movimento corporal, que indica se o dispositivo foi bem colocado e se há movimento do braço durante a aferição.

“Vale destacar que, quanto mais funcionalidades, maior o custo do produto. Portanto, é importante avaliar se o recurso realmente é necessário e se, de fato, será utilizado pelo usuário”, alerta a especialista, Soraya Margem.

Dica: Atividade física ou exercício físico? Saiba a diferença

O que é pressão alta?

Mas, afinal, por que ter um medidor de pressão em casa? Veja, a hipertensão arterial sistêmica (HAS) é um dos principais problemas de saúde do Brasil. Para entendê-lo, primeiro devemos saber como funciona a pressão sanguínea.

O coração é como uma bomba d’água. Ele ejeta sangue com bastante força, exercendo pressão contra as paredes dos vasos sanguíneos. Esse é o movimento de sístole. Logo em seguida, acontece a diástole, quando o músculo relaxa e enche de sangue novamente.

Com o passar dos anos, as artérias podem perder a elasticidade, diminuindo o diâmetro dos vasos sanguíneos. Outras condições de saúde, como o acúmulo de placas de gordura, também estreitam a passagem. Assim, o coração precisa exercer ainda mais pressão para bombear o sangue até os órgãos do corpo.

Essa força extra eleva a pressão arterial sistêmica. Porém, trabalhando em condições além do ideal, o organismo pode sofrer prejuízos. A hipertensão aumenta os riscos de insuficiência cardíaca, infarto e acidente vascular cerebral (AVC), entre outras complicações.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, cerca de 350 mil pessoas morrem no país, a cada ano, em função de doenças cardiovasculares. A maioria tem como uma das causas a HAS. A pressão alta também é responsável por 80% dos casos de AVC, além de agravar quadros de aneurisma cerebral e de insuficiência renal.

Estima-se que 24,5% da população brasileira adulta, algo entre 35 milhões e 40 milhões de indivíduos, seja hipertensa. Os dados, referentes ao ano de 2019, são do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde.

Como saber se você tem pressão alta

O esfigmomanômetro mede a pressão em milímetros de mercúrio (mmHg). Para saber se o seu quadro está normal, deve-se seguir as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial, estabelecidas por médicos da área. Descubra quais são os valores de referência.

Normal

A pressão arterial ideal registra números abaixo de 120×80 mmHg. A faixa entre 120 e 129 mmHg de pressão máxima e entre 80 e 84 mmHg de pressão mínima é considerada normal, mas requer cuidados. Uma dieta saudável e a prática de atividades físicas colaboram para manter o quadro estável.

Pré-hipertensão

Se sua pressão sistólica estiver entre 130 e 139 mmHg, enquanto a diastólica registrar valores de 85 a 89 mmHg, trata-se de um quadro de pré-hipertensão. Para não restarem dúvidas, recomenda-se a aferição no consultório ou no posto de saúde, com auxílio profissional.

Hipertensão estágio 1

Valores acima dos referidos anteriormente já configuram pressão alta, que é dividida em estágios conforme a gravidade da situação. Estes são os valores de referência para hipertensão estágio 1:

– 140-159mmHg (sistólica);

– 90-99mmHg (diastólica).

Hipertensão estágio 2

No estágio 2, os indicadores de pressão são os seguintes:

– 160-179mmHg (sistólica);

– 100-109mmHg (diastólica).

Hipertensão estágio 3

O quadro mais grave apresenta pressão máxima acima de 180mmHg e a mínima em aproximadamente 110mmHg. Quanto mais elevado for o grau de hipertensão, maior será o risco de complicações de HAS.

Guia-do-consumidor

O que é pressão baixa?

A chamada hipotensão acontece quando os níveis registrados pelos medidores de pressão ficam abaixo de 90x60mmHg. Não se trata de uma doença propriamente dita, mas de uma condição de saúde agravada por situações específicas, como desidratação, jejum prolongado ou uso excessivo de diuréticos.

Até mesmo o calor intenso pode causar pressão baixa, já que as artérias se dilatam e o fluxo sanguíneo cai. Em casos assim, pode haver sintomas como fraqueza, tontura, visão turva, suor frio e desmaio.

Em geral, pessoas saudáveis não precisam de tratamento para hipotensão. No entanto, se o quadro estiver relacionado a um distúrbio de saúde, é necessário buscar ajuda especializada.

Dica: Metais pesados nos alimentos: cuidados e perigos

Como funciona o teste da PROTESTE

A PROTESTE realizou um teste comparativo para verificar a qualidade dos monitores de pressão disponíveis no mercado. Foram avaliados 11 modelos de esfigmomanômetro digital, sendo seis de braço e cinco de pulso.

As análises foram conduzidas em laboratório credenciado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Na avaliação, foram estabelecidos parâmetros que levavam em conta a legislação vigente, a segurança, a usabilidade dos equipamentos e claro, a confiabilidade dos resultados.

Um dos critérios foi a acurácia, avaliada pelo limite de erro em situações adversas. O objetivo era verificar se havia desvios de leitura dos medidores de pressão quando submetidos a diferentes cenários. No ensaio, foram realizadas medições em condições diversas de temperatura e umidade, simulando variações de ambientes comuns.

A PROTESTE também observou se havia legibilidade no monitor e se os equipamentos apresentavam instruções claras de uso, como marcações de posicionamento da braçadeira. Outro ponto considerado relevante foram as informações sobre a vida útil do aparelho. Conforme a Portaria Inmetro n° 96/2008, é necessário que o fabricante recomende a verificação da calibração anual do produto.

Certificação do INMETRO

O selo do Inmetro no esfigmomanômetro indica que o aparelho passou por ensaios, durante a fabricação, para garantir a confiabilidade das medições. Por esse motivo, ao adquirir o produto, veja se há a certificação.

A legislação brasileira também define que os monitores de pressão devem ter a calibração verificada anualmente. Isso assegura a confiabilidade do equipamento.

Para a manutenção e verificação do medidor, acione um órgão da Rede Brasileira de Metrologia e Qualidade do Inmetro (RBMLQ-I), como o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem), para verificar a calibração e fornecer o selo de testagem atualizado. O Inmetro também possui um Guia de Medidores de Pressão Arterial.

Saiba qual medidor escolher com a PROTESTE

Os resultados do nosso teste comparativo com os medidores de pressão revelaram diferenças entre as marcas. Cadastre-se para receber o relatório completo e descubra qual é a melhor opção custo-benefício do mercado.   

A PROTESTE, a maior associação de consumidores da América Latina, realiza testes comparativos com os principais produtos e serviços do mercado. As avaliações buscam ajudar na escolha da melhor opção de compra. Visite nosso site e saiba mais!