TPM: saiba que é possível vencer o desconforto

TPM: saiba que é possível vencer o desconforto

Medidas como a prática de atividade física e boas horas de sono podem proporcionar alívio para os sintomas da tensão pré-menstrual

Irritação, dores, inchaço. A maioria das mulheres conhece as sensações causadas pela tensão pré-menstrual, a famosa TPM. O termo se refere aos variados sintomas que surgem nos dias que precedem a menstruação.

Parte dos sintomas são de natureza emocional e comportamental, como irritabilidade, mudança de humor, no apetite e na libido, ansiedade, depressão e até problemas de sono. Além disso, o período também costuma ser responsável por mal-estar físico, ocasionado por inchaço abdominal, cólicas, dores de cabeça, nas costas, nos seios, nos músculos e nas articulações.

Como aliviar?

Qualquer mulher em idade fértil pode apresentar a síndrome, desde o aparecimento da primeira menstruação até a chegada da menopausa. O tratamento da TPM baseia-se, sobretudo, no alívio dos sintomas.

Algumas medidas adotadas no curto prazo, como o uso de analgésicos, podem aliviar dores de cabeça e abdominais. Da mesma forma, a prática de um método de relaxamento, como ioga, meditação ou exercícios de respiração, também minimizam o desconforto.

Embora não haja evidência científica, colocar uma bolsa de água quente na região pélvica pode ser benéfico para o alívio das cólicas. Isso porque o calor dilata os vasos sanguíneos, relaxando os músculos, o que pode reduzir a dor.

Exercícios físicos são bons aliados

Para o desconforto da TPM, toda e qualquer atividade física regular é bem-vinda. Além de reduzir a fadiga, os exercícios promovem uma sensação de conforto e bem-estar. Andar de bicicleta, caminhar e nadar são algumas opções.

Boas horas de sono também fazem a diferença. O recomendado é dormir de sete a oito horas por dia e reduzir o consumo de álcool e cafeína. Outra dica é evitar o cigarro.

A terapia comportamental com psicólogos ou psiquiatras também pode ser uma aliada nessa fase, já que pode ajudar a mulher a gerir as emoções, principalmente a ansiedade. Se essas medidas não bastarem, os medicamentos que inibem a ovulação, como a pílula, podem ser uma opção.

Ainda não conhece a PROTESTE? Clique aqui e entenda como ajudamos o consumidor a defender seus direitos.