Entenda o que é a dieta de eliminação e quando ela deve ser feita

Entenda o que é a dieta de eliminação e quando ela deve ser feita

Dietas de eliminação são utilizadas para ajudar a identificar alimentos que podem estar provocando sintomas como diarreia, inchaço, gases e outros problemas

Você já ouviu falar em dieta de eliminação? Ela é utilizada para ajudar a identificar alimentos que podem estar provocando sintomas como diarreia, inchaço, gases e outros problemas. Esses regimes devem ser seguidos por um período de tempo relativamente curto, que pode variar de quatro a oito semanas.

Normalmente, essas dietas costumam ser prescritas por gastroenterologistas, alergologistas e nutricionistas nutricionistas (RDNs). Antes de uma dieta de eliminação ser usada, um médico geralmente descarta outras condições.

Se houver suspeita de doença celíaca, por exemplo, o médico pode realizar uma biópsia endoscópica e testar tecidos no intestino em busca de sinais dessa condição. Além disso, também devem ser realizados testes para indicar se há intolerância à lactose ou frutose.

Caso não seja nenhum desses casos, pode ser que o paciente precise de uma dieta de eliminação. Nessa situação, é preciso muita paciência e motivação. As restrições alimentares podem ser muito difíceis, mesmo que por curto prazo.

Como funciona a dieta de eliminação?

A maioria das dietas de eliminação tem duas fases. Veja como cada uma funciona.

Fase de eliminação

Durante a fase de eliminação, é necessário parar de comer todos os alimentos que são considerados incômodos. O objetivo é verificar se os sintomas desaparecem ao restringir esses alimentos. Muitas vezes, as pessoas já têm noção de quais alimentos estão causando os sintomas. No entanto, o profissional de saúde também pode ajudar a descobrir quais alimentos podem ser problemáticos.

O paciente pode ser indicado a eliminar um alimento por vez, grupos de alimentos semelhantes, como um grupo de alimentos ou vários itens alimentares. Por exemplo, se houver suspeita de intolerância à lactose, um médico pode recomendar a restrição de todos os alimentos lácteos, incluindo leite, iogurte e queijo. Se houver suspeita de intolerância ao glúten, todos os alimentos que contêm glúten devem ser evitados. Isso pode incluir trigo, centeio, cevada e alguns alimentos processados, como vinagre de malte, carne pré-temperada, entre outros.

Fase de Reintrodução
Fase de Reintrodução

Após a melhora dos sintomas, o próximo passo é reintroduzir os alimentos que foram restritos. O objetivo é ver se os sintomas retornam ao comer esses alimentos. Durante esta fase, o paciente rastreia quais alimentos são tolerados. Geralmente, começando com uma pequena quantidade, um item de comida por vez é adicionado de volta ao seu plano alimentar.

Se os sintomas não voltarem, uma porção maior do alimento é testada quanto à tolerância. O paciente registra a quantidade de alimento tolerada. A fase de reintrodução continua até que todos os alimentos potencialmente incômodos sejam testados.

Às vezes, intolerâncias alimentares podem estar relacionadas a um ingrediente usado em um produto específico ou marca de alimento. Isso é comum com sensibilidades ao sulfito, contido em alguns alimentos secos, por exemplo. Mas uma marca de damascos secos pode conter sulfitos, enquanto outra não. Portanto, a leitura de rótulos e os registros detalhados dos alimentos podem ser muito úteis.

Três coisas para lembrar sobre dietas de eliminação

  • As dietas de eliminação não devem ser seguidas por longos períodos de tempo e só devem ser feitas sob a supervisão de um profissional de saúde.
  • Um nutricionista pode ajudá-lo a seguir uma dieta de eliminação que também atenda às suas necessidades nutricionais.
  • O resultado de uma dieta de eliminação é um plano alimentar individualizado, que pode incluir uma lista de alimentos para restringir, comer ocasionalmente ou consumir em quantidades menores.

Ainda não conhece a PROTESTE? Clique aqui e entenda como ajudamos o consumidor a defender seus direitos.